Vem aí: Festival Um Novo Caminho

Com o tema “Jovem, uma esperança”, o evento vai trazer uma programação recheada! Você não pode perder.

Leia Mais!

Amor em ação de outubro

A amor em ação ocorrerá no dia 25 de outubro. Faça parte desse movimento de amor!

Leia Mais!

@umnovocaminho

Liturgia

1ª Leitura - Ef 6,10-20

Revesti, portanto, a armadura de Deus, a fim de que,
no dia mau, possais resistir e permanecer firmes em tudo.
Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios 6,10-20
10Para terminar, irmãos,
confortai-vos no Senhor,
e no domínio de sua força,
11revesti-vos da armadura de Deus,
para estardes em condições de enfrentar as manobras do diabo.
12Pois não é a homens que enfrentamos,
mas as autoridades, os poderes,
as dominações deste mundo de trevas,
os espíritos do mal que estão nos céus.
13Revesti, portanto, a armadura de Deus,
a fim de que no dia mau possais resistir
e permanecer firmes em tudo.
14De pé, portanto!
Cingi os vossos rins com a verdade,
revesti-vos com a couraça da justiça
15e calçai os vossos pés
com a prontidão em anunciar o Evangelho da paz.
16Tomai o escudo da fé,
o qual vos permitirá apagar
todas as flechas ardentes do Maligno.
17Tomai, enfim, o capacete da salvação e o gládio do espírito,
isto é, a Palavra de Deus.
18Com preces e súplicas de vária ordem,
orai em todas as circunstâncias, no Espírito,
e vigiai com toda a perseverança,
intercedendo por todos os santos.
19Orai também por mim,
para que a palavra seja colocada em minha boca
para anunciar corajosamente o mistério do Evangelho,
20do qual sou embaixador acorrentado.
Possa eu, como é minha obrigação,
proclamá-lo com toda a ousadia.
Palavra do Senhor.

Salmo - Sl 143 (144), 1. 2. 9-10 (R. 1a)

R. Bendito seja o Senhor, meu rochedo!

1Bendito seja o Senhor, meu rochedo, +
que adestrou minhas mãos para a luta, *
e os meus dedos treinou para a guerra!R.

2Ele é meu amor, meu refúgio, *
libertador, fortaleza e abrigo;
É meu escudo: é nele que espero, *
ele submete as nações a meus pés.R.

9Um canto novo, meu Deus, vou cantar-vos, *
nas dez cordas da harpa louvar-vos,
10a vós que dais a vitória aos reis *
e salvais vosso servo Davi.R.

Evangelho - Lc 13,31-35

Não convém que um profeta morra fora de Jerusalém.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 13,31-35
31Naquela hora, alguns fariseus aproximaram-se
e disseram a Jesus:
'Tu deves ir embora daqui,
porque Herodes quer te matar.'
32Jesus disse: 'Ide dizer a essa raposa:
eu expulso demônios e faço curas hoje e amanhã;
e no terceiro dia terminarei o meu trabalho.
33Entretanto, preciso caminhar hoje,
amanhã e depois de amanhã,
porque não convém que um profeta morra fora de Jerusalém.
34Jerusalém, Jerusalém!
Tu que matas os profetas
e apedrejas os que te foram enviados!
Quantas vezes eu quis reunir teus filhos,
como a galinha reúne os pintainhos debaixo das asas,
mas tu não quiseste!
35Eis que vossa casa ficará abandonada.
Eu vos digo: não me vereis mais,
até que chegue o tempo em que vós mesmos direis:
Bendito aquele que vem em nome do Senhor.'
Palavra da Salvação.

Reflexão - Lc 13, 31-35

A ameaça de morte não faz com que Jesus se acovarde, a sua resposta é bem clara: "devo prosseguir o meu caminho, pois não convém que um profeta perece fora de Jerusalém". Jesus vai seguir o seu caminho até o fim porque a sua fidelidade ao Pai está acima de todas as coisas, inclusive da sua própria vida, que ele vai entregar livremente em Jerusalém para que o homem seja resgatado do reino da morte. O mundo não quer a vida do profeta, não quer que ele chegue a realizar a sua missão e todos os que são do mundo, religiosos ou não, não toleram a presença do profeta, embora a sua morte contribua para a salvação de todos.

Reflexão

 

Reflexão pessoal – Efésios 6, 10-20 – “uma luta espiritual”

  Existe uma força espiritual do mal que nos atinge e age em nós, de dentro para fora. São “as manobras do diabo”, o inimigo de Deus que deseja a todo o custo nos tirar do nosso desígnio de santidade. Por isso, São Paulo nos ensina a nos preparar para enfrentar a tentação, do “dia mau”, que é o impulso que nos motiva a saciar os nossos desejos humanos e assim cairmos nas manobras do diabo.  Na maioria das vezes, estamos armados (as) e exercitados (as) para enfrentar as situações que surgem nos nossos relacionamentos pessoais. Para isso, nos precavemos contra as pessoas e os perigos, como nos assaltos e nas ameaças que sofremos no dia a dia. Temos munição para enfrentar os enganadores, os que querem nos passar para trás e estamos sempre de orelha em pé para não entrarmos nas situações em que possamos sair perdendo. Porém, contra a principal ameaça que ronda o nosso ao redor, poucos de nós temos consciência do que fazer para não cair.   Há uma luta espiritual dentro de cada um de nós, entre o que é de Deus e o que é da nossa carne. Porém, nunca devemos nos entregar e desistir de perseguir o bem, porque dentro de nós também há as armas que precisamos empunhar para que sejamos vencedores. Para isso, nos foi concedido uma armadura do cristão, que tem como escudo  a Palavra de Deus que é a verdade e como espada, a Oração de Súplica ao Espírito Santo que é a estaca da nossa fé. A couraça da justiça é a vivência do Evangelho de Jesus Cristo no nosso dia a dia. Todas as pessoas que estão firmadas na Palavra de Deus e têm o coração ligado aos ensinamentos do Senhor, mesmo que sejam tentadas mais que as outras, têm com certeza, o antídoto que mata o veneno de satanás. Portanto, não tenhamos medo: com preces e súplicas oremos em todas as circunstâncias, no Espírito, e vigiemos com perseverança, confortados (as) no Senhor e no domínio da sua força. – Você tem mais medo dos “homens” ou dos espíritos que nos fazem cair em tentação? – Você tem usado a armadura do cristão? – Qual é a função que a Bíblia tem tido na sua vida?

Salmo 143 – “Bendito seja o Senhor, meu rochedo”

  É o próprio Senhor quem adestra as nossas mãos para a luta contra as forças espirituais do mal. Não precisamos fazer esforço sobre humano, mas apenas nos centralizar no louvor e na adoração ao nosso Deus. O louvor liberta o nosso coração da angústia e fortalece o nosso espírito. O Senhor submete ao Seu domínio todas as nações que tentam nos fazer mal. Por isso, o salmista O exalta, proclamando-O rochedo, fortaleza e abrigo. Assim também nós podemos afirmar.
 

Evangelho Lucas 13, 31-35 – “Bendito aquele que veio em nome do Senhor

  Jesus caminhava para o desfecho final e continuava firme no Seu propósito de fazer a vontade do Pai, por isso não estava preocupado com o que Herodes poderia fazer com Ele. Assim sendo, Ele afirmava que continuaria operando milagres até que seus dias chegassem ao fim. Jesus caminhava para a morte e tinha consciência do que iria ter que enfrentar, sabendo muito bem o que o esperava em Jerusalém, mas era para lá que Ele deveria caminhar. Jerusalém, a cidade santa, seria o palco dos acontecimentos. Era lá que estava erguido o templo e, ao mesmo tempo seria lá que Jesus morreria e, depois de três dias, ressuscitaria. Jerusalém é também, hoje, o nosso destino, é para a Jerusalém celeste que caminhamos. Jesus Cristo abriu o caminho para nós, não precisaremos ser flagelados nem crucificados porque Ele mesmo já o foi por nós, entretanto haveremos de caminhar com coragem para atravessar  os vales sombrios da nossa vida.   Colocando isso na nossa vida prática podemos tirar como mensagem o exemplo e determinação de Jesus diante da missão a que Ele se propunha. Não temeu os homens, mas permaneceu fiel ao Pai. Ele, como homem, tinha inteira liberdade para dar justificativas de afastar-se de Jerusalém porque o rei queria mata-lo. No entanto, o Seu ideal de vida era justamente “beber o cálice” que Lhe estava destinado. E assim, permaneceu fiel aos Seus propósitos. Jesus chorou diante das muralhas de Jerusalém lamentando a sua rebeldia e obstinação em não aceitá-Lo como Salvador. Chorou por aqueles que não O acolheram e previu para eles um tempo de abandono e dispersão.  Nós podemos também nos colocar no lugar de Jerusalém, isto é, do povo que não aceita a salvação de Jesus e não aproveita o tempo em que é visitado. Muitas vezes rejeitamos a Deus, não caminhamos segundo a Sua Palavra, não seguimos os Seus ensinamentos e perdemos o precioso tempo que estamos vivendo aqui na terra. Jesus também chora diante de nós e lamenta a nossa ignorância, mas mesmo assim, torce e espera que no devido tempo possamos ainda dizer de coração: “Bendito aquele que veio em nome do Senhor”.      Todos aqueles que não acolheram Jesus como Salvador como ainda é o caso dos judeus, hoje, também, vivem abandonados, sem templo, a espera daquele que ainda virá.   – Você tem desistido de assumir a salvação em vista das dificuldades? - Você tem coragem de enfrentar os "seus inimigos" como Jesus os enfrentou? – Você tem medo de se entregar pela causa do Evangelho?   - Você é uma pessoa que caminha firme para a santidade mesmo sabendo que dificuldades o (a) esperam?- Você foge da realidade quando percebe algum indício de sofrimento?

Calendário 2014.2

Confira as nossas atividades e participe conosco!